Saúde oferta vagas temporárias para pesquisa federal

Publicado em 16/08/2017 as 10:21

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) está com inscrições abertas para o Processo Seletivo Simplificado que vai contratar, por tempo determinado, profissionais e estudantes da área da saúde (enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e fonoaudiólogos) para trabalhar na pesquisa Viva Inquérito 2017, realizada pelo Ministério da Saúde, através do Programa Federal de Prevenção de Violência e Promoção da Saúde. No total, estão sendo oferecidas 28 vagas, sendo quatro para supervisor e 24 para coletador de dados, com salários que chegam a R$ 2.654,72.

Os candidatos devem fazer a inscrição, que é gratuita, até a próxima quinta-feira, 17, na Gerência Geral de Desenvolvimento de Pessoas (GERGDEP) da Secretaria Municipal do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplog), que fica no Centro Administrativo Prefeito Aloísio Campos, localizado na rua Frei Luiz Canolo de Noronha, nº 42, bairro Ponto Novo, das 7h às 15h. Os requisitos exigidos e a documentação necessária podem ser consultados no edital do Processo Seletivo Simplificado.

Lidiane Oliveira, coordenadora da pesquisa em Aracaju e referência técnica do Núcleo de Prevenção de Violências e Acidentes (Nupeva) da SMS, explica que esta é a sexta edição da pesquisa e os candidatos selecionados irão atuar em dois hospitais da capital. “O objetivo maior da pesquisa é caracterizar as vítimas de violência e acidentes que são atendidas nos serviços sentinelas de Urgência e Emergência de Aracaju, que são o Hospital Municipal Nestor Piva e o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). No período de 5 de setembro a 4 de outubro, vamos abordar as vítimas nessas duas unidades hospitalares e, claro, o questionário será preenchido com o consentimento prévio dos entrevistados”, esclarece.

Para a diretora de Vigilância em Saúde, Taíse Cavalcante, a pesquisa é importante para orientar os gestores na implementação de políticas públicas de prevenção de acidentes. “Com a realização da pesquisa a gente vai conhecer a magnitude das violências e acidentes, além de traçar o perfil das vítimas e dos agressores. A partir desses dados nós iremos construir um planejamento de ações e propor medidas preventivas a essas ocorrências, que são um grave problema de saúde pública”.