'Sou daltônico: todos têm a mesma cor', diz Bolsonaro, sem citar assassinato de João Alberto

Publicado em 21/11/2020 as 10:33

Após ignorar o Dia da Consciência Negra, Jair Bolsonaro foi às redes no fim da noite desta sexta-feira (20) e, sem citar o assassinato de João Alberto Silveira Freitas por seguranças brancos em uma loja do Carrefour em Porto Alegre, negou que haja racismo no Brasil e relacionou a luta do movimento negro à manipulação “por grupos políticos”.

“Não nos deixemos ser manipulados por grupos políticos. Como homem e como Presidente, sou daltônico: todos têm a mesma cor. Não existe uma cor de pele melhor do que as outras. Existem homens bons e homens maus. São nossas escolhas e valores que fazem a diferença”, tuitou Bolsonaro.

Na sequência de tuites, publicada após o vice, Hamilton Mourão, negar enfaticamente que haja racismo no Brasil, o presidente ainda criticou, de forma indireta, os protestos que ocorreram como reação ao assassinato de João Alberto.

“Aqueles que instigam o povo à discórdia, fabricando e promovendo conflitos, atentam não somente contra a nação, mas contra nossa própria história. Quem prega isso, está no lugar errado. Seu lugar é no lixo”, afirmou.

Opinião racista
A sequência de tuítes de Bolsonaro causou revolta nos internautas, que rechaçaram a declaração nos comentários. Danthe Belo publicou uma foto da primeira formação ministerial do governo Bolsonaro, formada apenas por homens brancos e duas mulheres, também brancas. “Tô vendo mesmo”, tuitou.

— Danthe Belo (@danthebelo)
O perfil Fran Bombassaro publicou dados sobre a remuneração e a violência contra a população negra. “Isso é desonesto da sua parte! Ta negando fatos pra expor uma opinião racista”.

*Revista Fórum